segunda-feira, 7 de junho de 2010

Momento Deprê.

Primeira poesia que posto no meu Blog! hehehehe




Momento deprê.

Deixa eu ter o meu momento deprê.
Deixa eu chorar, deitar e ligar a TV.
Deixa eu ver filme antigo, ligar pros amigos só pra falar,
Reclamar de tudo, contar absurdos, desabafar...

Por que eu mereço um momento deprê,
De rasgar a garganta, perder a esperança, suplicar a alma, sem um pingo de calma.
É meu momento de introspecção, de sentir apertos no coração, de ofegar na respiração e me afogar de lamentação.

Um momento natural, triste, viral, que me deixa passando mal, faz que acaba com minha moral, me deixa racionalmente irracional.

Deixa eu cortar minhas asas,
Rastejar entre as lágrimas e sentir-me fosco, tosco, por mais que pareça louco.

Deixa eu me despir de qualquer vaidade, ser normal na insanidade, e justo de iniqüidade.

Não quero saber o que faz bem pra mim, só quero um momento assim,
No mais absurdamente ativo dotado desequilíbrio, um momento intra-instintivo, quando a morte nos prova ser vivos!

Assim é meu momento deprê, e não quero saber... Quero ficar só, quero ver minha garganta dar nó,
Um instante que quero ter, sim eu quero sofrer, quero fortalecer...
Quero ter... Meu momento Deprê!

9 comentários:

cintia roberta disse...

Arrazou em migo, quase chorei, rs...
Bjs!!

Carlos Rodrigo disse...

É, quase chorou de rir neh... Fiz essa poesia baseado em novelas Mexicanas! KKKKKKKKKKKKKKKKK

Paloma disse...

Profundo, uma poesia de um sábado a noite! rsrs
Mas está legal sim!

Carlos Rodrigo disse...

Brigadu! Já fiz poesia BEM melhores... Até pq essa num tem NADA demais! rsrsrs

Renan disse...

olha Carlos, não sabia desse seu lado Carlos Drummond de Andrade...rsrs

Carlos Rodrigo disse...

uHSAUhaushUHAUSH Kem me dera! rs

Bruno,Idiota Master disse...

Ficou maneiro, foi bem sincero, curti, foi de uma forma descompromissada o que garantiu a intensidade, pra acompanhar vou ouvir Silverchair - Suicidal Dream

Carlos Rodrigo disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Déo Gadelha disse...

A-DO-REIIIIIIIIIIIIIIIII