terça-feira, 27 de julho de 2010

Quando tudo acaba, é o que sobra.


Ainda posso sentir aquele aroma gostoso de tudo que vivemos e o gosto amargo dos destemperos de um casal conflitante, o sincretismo poluído que nos rodeava em meio aos pensamentos mundanos...
Agora as coisas mudaram coagulando os desejos mais profundos, expandindo a vontade que sempre tive de viver outras vidas, ser eu mesmo em várias pessoas e me achar dentro de mim...
Encontrei-me em êxtase por ser eu! Eu sem rótulos e parâmetros, eu sem limites e definições... Eu, apenas uma pessoa comum e feliz, sendo individual com o coletivo, e buscando a coletividade em tudo que não fosse alguém.

As vezes mais que de vez em quando me pegava a pensar no passado, assim como quem dirige por uma estrada e observa uma bela árvore, olha pelo retrovisor a fim de admirá-la por mais instantes antes que se apague em meio a distância e as curvas do caminho...

As lembranças já não me afligiam mais... Até que o inesperado surgiu em minha vida... E era você novamente!

Eu que sempre fora omisso em muitas coisas, omiti de tudo pra nada, e do nada fiz minha morada e meu recanto, agora sem encantos, mas com os bons ventos de quem ruma sem destino, e que você novamente fez o favor de mudar, de balançar as velas, de mudar o prumo, e fazer novamente eu me perder em meio ao oceano infinito das minhas ilusões.

Você sabe que eu não sou mais o mesmo, mas sabe também que as mudanças podem significar o percalço atingido, e que meu rumo boreste ainda se equilibra mesmo quase afundando as vezes...

Eu não sei mais o que você quer, e o que eu quero não depende mais disso, porém não impede que eu perca a direção novamente...

Prefiro a dúvida da tranqüilidade apaziguadora, do que a prova de certeza que me custe uma guerra, e por isso que eu continuo estático. Você também parece que se aluanda e muda de fases, e me deixa mais inconstante ao meu regime opressivo de auto avaliação do que era nos tempos áureos de uma paixão mais que avassaladora.

De lições e resultados que esse problema de muitos dígitos, milhares de incógnitas e algumas mudanças de sinais podem me proporcionar eu fico com uma dízima periódica maior que um, mas que não se pode arredondar para dois.

Agora o que sobra é um sentimento estranho, uma estranheza sentimental, um vazio de preenchimento e um preenchimento de vazio, e por mais redundante que isso seja... No final das contas o que sobra é isso...

Sobram as sobras.

15 comentários:

Gislaine disse...

Nossa vc me surpreende... Parabens vc escreve super bem e mexeu mto comigo =) Lindo!!

Carlos Rodrigo disse...

Ahhh Obrigado amoreh! ;)

Anônimo disse...

O que dizer? ESCRITOR NATO. Faça um livro. Eu comprarei, sem dúvidas!! Abraço, SUCESSO, e criatividade sem limites pra vc que, verdade seja dita, é um dos meus escritores FAVORITOS (Sempre foi), T.

Carlos Rodrigo disse...

Own... S2

Renan disse...

hum...me emocionei também...rsrs...Carlos Rodrigo pra ABL...kkkkk....mas sério, ficou show amigo, parabéns...

Carlos Rodrigo disse...

Vle Renan! Se eu vou pra ABL, vc vai pro Jornal dos esportes ter uma coluna lá!
Abs!

Danielli disse...

Sabia que das "sobras" podemos criar novas receitas com aromas e sabores ainda melhores??? rsrs
Adorei seu texto amore , parabéns !!!
Beijinho

Carlos Rodrigo disse...

É verdade Danni! Sábia verdade! rs

Bruno Fraga disse...

Está tão bom, tão bom, que é até dificil associar sua personalidade palhaça, com algo tão intenso.... parabéns...auehauehuahauahe

A.Martins disse...

oh fico muito contente que tenhas gostado :)

Carol Raphaelli disse...

Texto lindo...Amei!
Você tem muito talento!
Parabéns!!!

Dija Darkdija disse...

Gostei do texto, parabéns. Ah, valeu pela visita no http://memoriasdeumaprendiz.blogspot.com/ . Aquele não é meu "blog oficial". eu fiz pra registrar ideias de um livro que estava escrevendo. E o pensamento da Danielli é interessante. Criar novas e melhores receitas das sobras. Meio que como uma fênix virar cinzas e renascer mais forte. Claro que no tempero da receira de sobras é necessária uma dose extra de criatividade, mas o nome do blog já explica a coisa. Já que você disse que iria me seguir, aqui vai o meu blog principal. : http://darkthedarkdija.blogspot.com/
Continue escrevendo. Blogar revitaliza a alma.

Déo Gadelha disse...

Você está cada vez melhor Carlitos, show, adorei... Esse texto me "pegou". Simplesmente fantástico!

Déo Gadelha disse...

Você está cada vez melhor Carlitos, show, adorei... Esse texto me "pegou". Simplesmente fantástico!

Déo Gadelha disse...

"De lições e resultados que esse problema de muitos dígitos, milhares de incógnitas e algumas mudanças de sinais podem me proporcionar eu fico com uma dízima periódica maior que um, mas que não se pode arredondar para dois". (muito,muito, muito eu... foda!)